78483649

Ter um pet na infância pode ajudar a prevenir doenças

Sintomas de infecção respiratória são comuns em crianças no primeiro ano de vida. Contato com outras crianças em creches, irmãos mais velhos e falta de amamentação têm sido considerados fatores que possivelmente influenciam tais infecções. Um estudo realizado por pesquisadores finlandeses e publicado em 2012 na Pediatrics, respeitada revista científica americana, indica que crianças que têm  contato desde cedo com cães e gatos tendem a ter menos sintomas de infecções respiratórias e doenças, especialmente otites (infecções de ouvido), durante o primeiro ano de vida.

A fim de investigar tais efeitos, os pesquisadores acompanharam 397 crianças finlandesas desde a gestação, verificando a frequência de sintomas respiratórios e infecções, além de coletar informações sobre o contato com cães e gatos durante o primeiro ano de vida. O acompanhamento foi relatado em diários semanais e questionários até que atingissem a idade de 1 ano.

Os resultados são muito interessantes! Foram recebidas pouco mais de 17 mil respostas a esse acompanhamento mensal, e as crianças que tiveram contato com cães em casa apresentaram-se mais saudáveis (com menos sintomas e infecções do trato respiratório) que as crianças que não tiveram nenhum contato com eles. Além disso, estas crianças tiveram menos casos de otite e tendiam a precisar de menos antibióticos quando comparadas às crianças sem contato com cães.

Cães, gatos e crianças saudáveis

De acordo com os resultados dessa pesquisa, o contato com cães e gatos desde os primeiros anos de vida pode estar associado a menos casos de doenças em geral. Isso foi indicado pelo maior número de semanas em que essas crianças estiveram saudáveis, quando comparadas às crianças sem contato algum com estes animais.

O contato com cães e gatos tem efeito protetor no sistema respiratório das crianças.

As descobertas desse estudo apoiam a ideia de que o contato das crianças, em seus primeiros anos de vida, com animais, é muito importante, e possivelmente leva ao desenvolvimento de maior resistência a doenças respiratórias.

Baixe e leia o artigo na íntegra clicando no botão ao lado.

* O conteúdo desse post foi retirado do artigo “Respiratory tract illnesses during the first year of life: effect of dog and cat contacts”, de Eija Bergroth, Sami Remes, Juha Pekkanen, Timo Kauppila, Gisela Büchele e Leea Keski-Nisula, no periódico Pediatrics. Originalmente publicado online em 09/07/2012.