200454698-001

Seu animal é alérgico? Saiba como ajudá-lo!

A alergia é uma resposta exagerada do sistema imunológico (sistema de defesa do organismo) a uma substância externa, que normalmente não causa problemas aos outros animais. Os cães alérgicos se coçam intensamente (usando as patas e a boca), provocando lesões de pele autotraumáticas, além da remoção dos pelos das regiões acometidas. Isso faz com que todos os animais alérgicos apresentem lesões muito semelhantes, mesmo que a causa seja diferente. As principais dermatopatias alérgicas são:

  • DAPE (dermatite alérgica à picada de pulga)
  • Alergia alimentar
  • Atopia (alergia a substâncias ambientais, como ácaros do ar, esporos de fungo, poeira doméstica, pólen e restos de vegetais, por exemplo)

É possível, apenas pelo exame, diferenciar o tipo de alergia?

Não, porque a manifestação clínica nos três casos é idêntica, como se pode ver nas imagens a seguir.

Lesões causadas por dermatopatias.

Animais alérgicos apresentam prurido e lesões faciais, principalmente nas regiões perilabial e periocular, e otites. Note a semelhança entre as lesões.

Existe algum exame que possa definir a causa da alergia?

Não existem exames específicos para definir a causa da alergia. Testes alérgicos podem oferecer resultados imprecisos, principalmente em DAPE e alergia alimentar. Nem mesmo uma biópsia é capaz de diferenciar os quadros. Por conta disso, o médico veterinário firma seu diagnóstico pela eliminação racional de cada uma das possibilidades, como demonstramos nos passos a seguir.

Passo 1: controle rigoroso de parasitas (pulgas e carrapatos), por 30 a 40 dias. Caso o animal melhore muito, fica estabelecido diagnóstico de DAPE. Caso mantenha o estado ou piore, vá para o passo 2.

Passo 2: início de dieta de eliminação exclusivamente com ração específica (proteína hidrolizada) ou com dieta caseira (fontes de proteína inéditas na dieta do cão), por no mínimo 45 dias. Caso o animal melhore muito, fica estabelecido diagnóstico de alergia alimentar. Caso mantenha o estado ou piore, fica estabelecido diagnóstico de atopia.

A atopia é uma alergia incurável às substâncias ambientais. O cão apresenta facilidade para infecções cutâneas, que devem ser controladas. Provavelmente irá necessitar de medicamentos de uso contínuo, como anti-histamínicos, ômegas, corticoides, entre outros, bem como de exames laboratoriais e acompanhamento veterinário periódico. O controle de parasitas deve ser mantido rigorosamente.
É importante ressaltar que o diagnóstico por eliminação leva tempo e a compreensão e o comprometimento do proprietário são importantes em todas as fases. Só assim poderá ser estabelecido um tratamento adequado e eficiente.

Nunca observei pulgas e carrapatos no meu cão. A DAPE pode ser descartada?

Mesmo quando não são observados pulgas ou carrapatos no cão, a DAPE ainda não pode ser descartada. O parasita pode ter picado o cão e ele, coçando ou mordiscando, pode tê-lo eliminado sem que o proprietário percebesse. Isso ocorre principalmente em animais que saem às ruas ou passeiam em locais frequentados por muitos animais. Assim, a primeira etapa consiste na eliminação de pulgas e carrapatos. Para que seja feito esse programa de controle parasitário, a escolha do produto é fundamental. Deve-se optar por fármacos parasiticidas (que eliminam as pulgas e os carrapatos adultos) e que promovam controle do ambiente (com efeito residual e com inibidores de crescimento, atingindo ovos e larvas).

Meu cão sempre teve uma ou outra pulga e sempre comeu o mesmo alimento.

Mesmo que seu cão já tenha tido uma ou outra pulga e sempre tenha comido o mesmo alimento, pode vir a desenvolver alergia. A falha no sistema imunológico, que reage exageradamente, pode ocorrer em qualquer momento da vida. Como em seres humanos, não é raro um cão passar a não poder comer um alimento que antes comia sem problemas.

Existem outras doenças de pele que causam coceira?

O fato de o animal apresentar coceira não define o diagnóstico como alergia; existem outras doenças de pele que podem levar a quadros semelhantes, como sarnas e infecções.

O estresse pode ter causado isso?

O estresse não causa alergia nem coceira. Um dos principais sintomas de animais alérgicos é a lambedura constante do espaço entre os dedos (prurido interdigital). Essa manifestação está presente nos três quadros de alergias e não tem nenhuma relação com agitação ou estresse.

Por excesso de lambedura os animais desenvolvem lesões nas patas, desde eritema (vermelhidão) e edema (inchaço), até discromia de pelame (mudança na cor dos pêlos). Estes sintomas podem estar presentes em qualquer dermatopatia alérgica.

Por excesso de lambedura, os animais desenvolvem lesões nas patas, desde eritema (vermelhidão) e edema (inchaço) até discromia de pelame (mudança na cor dos pelos). Esses sintomas podem estar presentes em qualquer dermatopatia alérgica.

Ouvi dizer que “castrando vai passar”.

A castração pode trazer uma série de benefícios, mas não irá promover melhora de quadros de pele que causam coceira. Animais com problemas hormonais podem ter quadros dermatológicos graves, mas não se coçam.

Então é melhor aplicar injeções antialérgicas periodicamente para aliviar os sintomas?

Definitivamente não! Essas injeções, em geral, são de corticoides, medicamentos com muitos efeitos colaterais que podem trazer alívio imediato, mas prejudicar a saúde dos animais em longo prazo.

Existe tratamento tópico?

Sim. Animais alérgicos devem ser banhados com frequência maior que animais saudáveis. O ideal é que os banhos sejam semanais ou até duas vezes por semana. Devem ser banhos terapêuticos e com shampoos específicos para cada situação. No caso de peles muito irritadas, a aveia coloidal, por exemplo, é um princípio ativo que promoverá grande hidratação na pele, que quase sempre está ressecada, aliviando os sintomas.

Existe cura?

Nos casos de DAPE e alergia alimentar, sim. O cão ficará muito bem após o diagnóstico e o controle da exposição aos parasitas (no caso de DAPE) e do consumo dos alimentos (no caso de alergia alimentar).

Já no caso de atopia, a frase de ordem é controle dos sintomas e qualidade de vida, uma vez que não se podem eliminar as substâncias que causam o quadro. Pode haver a necessidade do uso de corticoides por via oral por longos períodos. Esse tratamento deverá ser acompanhado e o animal deve ser frequentemente monitorado pelo veterinário para controle dos efeitos colaterais da medicação.

Cadela Shi Tzu de 5 anos de idade com quadro avançado de atopia, antes e depois do controle terapêutico.

Cadela Shih-tzu de 5 anos de idade com quadro avançado de atopia, antes e depois do controle terapêutico.

Por fim, é importante dizer que a alergia não é transmissível nem para os proprietários nem para outros animais. No entanto, trata-se de um quadro hereditário, portanto animais alérgicos podem ter descendentes alérgicos.

Consulte sempre o médico veterinário antes de utilizar qualquer produto. A medicação sem orientação médica traz riscos à saúde do seu animal.